Na lonjura do horizonte a busca etérea da luminosidade espiritual...da doçura do sonho às agruras da realidade.Palavras e imagens que, devagar, divagam entre ignotas luzes, sombras e penumbras, de ciclos de vidas incertas e perdidas na voragem do tempo
Terça-feira, 7 de Fevereiro de 2006
Nem todos os sonhos são pesadelos

                                                 desilusao.jpg


É facto que o meu sonho não se tornou realidade, como muitos outros que já tive. Mas também, após despertar, não senti que se tratasse de um pesadelo. Talvez o que em gíria comum se chame uma “pisadela”, mas sem esmagamento objectivo ou até psicológico. Claro que não morro de amores por quem o povo elegeu, mas também não alimento desamores profundos pelo mesmo. Temos a capacidade de aceitação das coisas, e os portugueses da minha geração, habituados à dura deglutição de autênticos batráquios indigestos, já não sentem estranhamento no encaixe de qualquer evento desfavorável aos seus desejos e vontade.


Ninguém poderá também, quer se goste ou não, iniciar um julgamento por actividade ou factos ainda não acontecidos, pois a verdadeira reinação nem sequer começou. Aliás adivinha-se uma consensualidade nos primeiros tempos, sem recurso à conflitualidade por muitos augurada e até desejada por muitos outros que divergem de uma das partes institucionais. Talvez não venham, de momento, a ter esse mórbido prazer, pois a nobreza do cargo assumido pelo eleito, não o convidará a cometer prematuras ousadias de adversidade clubista.


Até se poderá dar o facto, nada estranho nem inesperado, de haver uma total e sadia convivência de respeito mútuo e inter-colaboração institucional, durante toda a fase de actividade política. E, se assim for, muitos dos que o elegeram vão roer-se de ódios e mesquinhas vinganças.


A Pátria vai continuar o seu desgaste de trinta anos de liberdade, continuando a proteger os fortes e a explorar os fracos, pois não espero o contrário. A vida já me habituou a ver a realidade com o espírito do desinteresse e sem a esperança de relevantes alterações no sentido da positividade por muitos almejada e, por muitos mais, merecida. Somos e seremos, como sói dizer-se, um país eternamente adiado, desde a longínqua espera do velho do Restelo. Continuaremos mergulhados no denso nevoeiro dos fazedores de desilusões. 



publicado por dboliveira às 20:46
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Flores de Maio...um mês c...

Mudanças...outras andança...

Dia da Mulher

Nem todos os sonhos são p...

Tive um sonho...que esper...

Essencial: conhecer o imp...

FESTAS FELIZES...A TODOS ...

QUEM SANGRA FUNDOS DA SEG...

Nós e os outros...do narc...

Do sofrimento ...e da mor...

arquivos

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

links
blogs SAPO
subscrever feeds